Dicionário – JKLM

O Dicionário de termos psiquiátricos contém muitas palavras explicadas didaticamente.

Jargonofasia

JargonofasiaParafasia são alterações afásicas de expressão da linguagem oral. São consideradas tipos de Afasia onde não ocorre a inibição da fala. A linguagem espontânea é rica e volúvel, porém as palavras ou os fonemas não são apropriados. As Parafasias verbais consistem na utilização de uma palavra por outra.

A palavra proferida apresenta, algumas vezes, uma relação de ordem conceitual com a palavra substituída (garfo por colher, lápis por borracha) ou de ordem fonética (pera por cera, marco por barco), porém sua utilização frequentemente parece ocorrer ao acaso.

As Parafasias literais correspondem a uma deslocação da estrutura fonêmica das palavras, com elisão, inversão de sílabas, substituições, uso de palavras deformadas, porém ainda identificáveis (reutamismo por reumatismo, biciteta por bicicleta) ou de neologismos totalmente sem significado (para um lápis, logamentase, tipão, pinhão de caça…).

Já o jargão (Jargonofasia) é uma linguagem constituída de parafasias verbais e literais, freqüentemente associado a uma dificuldade sintáxica (dissintaxia) que, diferente do agramatismo, não é uma redução econômica da linguagem, mas sim uma utilização defeituosa da organização gramatical: ex.: “o amigo onde passei as férias”.

Normalmente, o jargonofásico não toma consciência da desorganização em sua linguagem (anosognosia) mas, com o passar do tempo pode surgir alguma atitude crítica que permite ao paciente reconhecer seus erros e tentar corrigi-los.

Jogo Patológico

A característica essencial do Jogo Patológico é um comportamento de jogo mal-adaptativo, recorrente e persistente, que perturba os empreendimentos pessoais, familiares ou ocupacionais. O diagnóstico não é feito se o comportamento é melhor explicado por um Episódio Maníaco.

O indivíduo pode manter uma preocupação com o jogo (por ex., reviver experiências de jogo do passado, planejar a próxima parada ou pensar em modos de obter dinheiro para jogar). A maioria dos indivíduos com Jogo Patológico afirma que está mais em busca de “ação” (um estado eufórico e excitado) do que de dinheiro.Apostas ou riscos cada vez maiores podem ser necessários para continuar produzindo o nível de excitação desejado.

Os indivíduos com Jogo Patológico freqüentemente continuam jogando, apesar de repetidos esforços no sentido de controlar, reduzir ou cessar o comportamento. Pode haver inquietação ou irritabilidade, ao tentar reduzir ou parar de jogar. O indivíduo pode jogar como uma forma de fugir de seus problemas ou para aliviar um humor disfórico (por ex., sentimentos de impotência, culpa, ansiedade, depressão).

Um padrão de “recuperação” das perdas pode desenvolver-se, com uma necessidade urgente de continuar jogando (freqüentemente fazendo apostas maiores ou assumindo maiores riscos) para anular uma perda ou uma série de perdas. O indivíduo pode abandonar sua estratégia de jogo e tentar recuperar todas as perdas de uma só vez.

Embora todos os jogadores possam tentar recuperar suas perdas por curtos período, a busca de recuperação do prejuízo a longo prazo é mais característica dos indivíduos com Jogo Patológico. O indivíduo pode mentir para familiares, terapeutas ou outras pessoas para encobrir a extensão de seu envolvimento com o jogo.

Quando não tem mais a quem pedir emprestado, o indivíduo pode recorrer ao comportamento anti-social (por ex., falsificação, fraude, furto ou estelionato) para obter dinheiro. O indivíduo pode ter colocado em risco ou perdido um relacionamento significativo, seu emprego ou uma oportunidade profissional ou educacional em virtude do jogo. O indivíduo também pode recorrer à família ou outras pessoas, em busca de auxílio para uma situação financeira desesperadora causada pelo jogo.

Juízo

O raciocínio humano é uma cadeia infinita de representações, conceitos e juízos, sendo a fonte inicial de todo esse processo a experiência sensorial.

Nosso conhecimento se dá através das representações sensoperceptivas do mundo e delas, elaboramos nossos conceitos, vistos anteriormente. O pensamento lógico consiste em selecionar e orientar esses conceitos, tendo como objetivo alcançar uma integração significativa, que possibilite uma atitude racional ante as necessidades do momento.

Chama-se Juízo o processo que conduz ao estabelecimento dessas relações significativas entre conceitos e, julgar é, nesse caso, estabelecer uma relação entre conceitos. A função que relaciona os juízos, uns com os outros, recebe a denominação de raciocínio. Em seu sentido lógico, o raciocínio não é nem verdadeiro nem falso, ele será sim, correto ou incorreto. Portanto, o raciocínio para ser correto deve ser lógico e, em Psicologia, o termo raciocínio tem o mesmo sentido de pensamento.

Juízo e a Lógica, são duas operações intelectuais exercidas pelo pensamento reflexivo ou lógico. Porém, não obstante, nossos juízos estão sempre impregnados pela afetividade e pela vontade, de tal forma que todo julgamento é predominantemente subjetivo. Conforme Nobre de Melo, pode-se dizer que um juízo crítico, por mais fundamentado que possa ser, revela, às vezes, muito mais a natureza da pessoa que julga do que a qualidade da coisa julgada. Desta forma a própria razão, objeto do raciocínio lógico, também deve passar pela individualidade afetiva e, portanto, terá sempre uma racionalidade relativa por excelência.

Há situações onde ocorre uma predominância dos afetos sobre a reflexão consciente, com subseqüente alteração do juízo da realidade e com repercussões secundárias no comportamento social do indivíduo. As Idéias Supervalorizadas são conhecidas também como Idéias Prevalentes ou Idéias Superestimadas. É quando o pensamento se centraliza obsessivamente num tópico especialmente definido e carregado de uma enorme carga afetiva.

Jaspers define o Delírio com sendo um juízo patologicamente falseado da realidade. Fala-se em Percepção Delirante quando o paciente atribui, à uma percepção normal da realidade, um significado anormal sem que, para isso, existam motivos compreensíveis.

Não existe, neste caso, uma verdadeira alteração da percepção mas é a interpretação dessa percepção que sofre um juízo crítico distorcido, patológico e com uma significação muito especial.

Klüver-Bucy, Síndrome de

Síndrome de Klüver-Bucy não é um fenômeno raro na Doença de Alzheimer. Consiste ela em hiperoralidade, isto é, ingestão de substâncias não alimentares indicando distúrbio amigdaliano bilateral.

Quando houver ingestão excessiva de substâncias alimentares é indício de lesão hipotalâmica, acarretando muitas vezes obesidade e colocação compulsiva de alimentos na boca, hiperssexualidade, andar sem rumo e continuamente, e rituais compulsivos sem uma finalidade específica.

Korsakoff, Síndrome de Wernicke

No cérebro, um dos quadros provocados pelo consumo abusivo e prolongado de bebidas alcoólicas é a síndrome de Wernicke-Korsakoff, caracterizada por alterações dos movimentos, demência e grave deterioração da memória.

Ainda que esta síndrome ocorra apenas nos estágios mais avançados alcoolismo, alterações de memória caracterizadas pelo completo esquecimento de fatos ocorridos sob o efeito do álcool, ainda que em quantidades moderadas, são comuns em suas fases iniciais – os palimpsestos – e segundo alguns autores, podem servir para um diagnóstico relativamente precoce do alcoolismo.

Assim sendo, alcoólatras crônicos podem ser afetados pela falta da vitamina B1, ou tiamina. Em geral os alcoólatras conseguem todas as calorias que necessitam a partir do álcool, e não ingerem alimentos saudáveis.

Os gravíssimos sintomas que afetam em fase terminal os alcoólatras se chama Síndrome de Wernicke-Korsakoff, e inclui a destruição de parte do sistema nervoso, levando a perdas de memória e outros efeitos neurológicos.

Labilidade Emocional

Labilidade emocional ou Instabilidade Afetiva é um estado especial em que se produz a mudança rápida e imotivada do humor ou estado de ânimo, sempre acompanhada de extraordinária intensidade afetiva.

Esta forma súbita de reagir diante dos estímulos do meio exterior revela pessoas incapazes de controlar a in-tensidade de suas reações.

Dizia Bleuler que as crianças podem ser comparadas aos idosos com razão, porque normalmente são emocionalmente instáveis. Nos idosos ou nas crianças, os sentimentos aumentam com facilidade, não duram muito e desaparecem facilmente. A labilidade afetiva é também algo comum em casos avançados de Transtorno Afetivo Bipolar ou nos pacientes com essa doença e considerados rápidos cicladores.

Kurt Schneider descreve um tipo de Transtorno de Personalidade caracterizado essencialmente pela labilidade afetiva. Admite que é possível observar uma forma de personalidade, na qual, embora o estado de ânimo permanente não seja de tipo depressivo, existe tendência periódica a reações depressivas intensas, com os traços fundamentais de mau humor e irritabilidade. Hoje em dia chamamos esses pacientes de ciclotímicos e distímicos. Nos quadros demenciais observamos também grande labilidade afetiva, a qual se exterioriza através de queixas, lamentações constantes e choro fácil.

Lei Yerkes-Dodson

O conceito de excitação foi um aspecto importante em muitas teorias de aprendizado e está relacionado de perto com outros conceitos importantes como ansiedade, atenção e motivação.

Uma das mais importantes descobertas a respeito da excitação é a chamada Lei Yerkes-Dodson, que prediz uma função no formato de U entre a excitação (motivação) e o desempenho. Por uma grande variedade de situações experimentais, foi mostrado que ambos os níveis, baixo e alto de excitação, produzem um desempenho mínimo, enquanto que um nível moderado de excitação resulta no máximo desempenho em uma tarefa. Isto sugere que pouca ou muita estimulação tende a ser ignorada pelos indivíduos.

Relacionada à Ansiedade a Lei Yerkes-Dodson mostra a relação de rendimento entre Ansiedade e Adaptação; a maior e a menor ansiedade estão relacionadas à menor capacidade adaptativa. Este conceito resume a ideia entre ansiedade normal e patológica, juntamente com os níveis de adaptação que elas implicam.

Lesbianismo - Lésbica

Lesbianismo é a homossexualidade feminina. Atualmente o homossexualismo (tanto masculino como feminino) está classificado no Transtorno de Identidade Sexual. Esse transtorno usualmente se manifesta primeiro no início da infância (e sempre bem antes da puberdade), caracterizado por um persistente em intenso sofrimento com relação a pertencer a um dado sexo, junto com o desejo de ser (ou a insistência de que se é) do outro sexo. O diagnóstico requer uma profunda perturbação de identidade sexual normal; não é suficiente que uma menina seja levada ou traquinas ou que o menino tenha uma atitude afeminada.

Os transtornos da identidade sexual nos indivíduos púberes ou pré-púberes não devem ser classificados aqui mas sob a rubrica de Transtorno do relacionamento sexual. A identidade ou a orientação sexual (hetero, homo ou bissexual) leva a dificuldades no estabelecimento e manutenção de um relacionamento com um parceiro sexual.

Para pessoas sexualmente maduras e portadoras de Transtorno de Identidade Sexual, os seguintes especificadores podem ser anotados, com base na orientação sexual do indivíduo se há Atração Sexual por Homens, Atração Sexual por Mulheres, Atração Sexual por Ambos os Sexos, Ausência de Atração por Quaisquer dos Sexos.

Libido

Segundo Freud, no ser humano, cada um dos instintos gerais teria uma fonte de energia separadamente. Libido (da palavra latina para “desejo” ou “anseio”) seria a energia aproveitável para os instintos de vida. “Sua produção, aumento ou diminuição, distribuição e deslocamento devem propiciar-nos possibilidades de explicar os fenômenos psicossexuais observados” ( 1905a, livro 2, p. 113 na ed. bras.). Outra característica importante da Libido é sua mobilidade, ou a facilidade com que pode passar de uma área de atenção para outra.

A energia do instinto de agressão ou de morte não tem um nome especial, como tem o instinto da vida (Libido). Ela supostamente apresenta as mesmas propriedades gerais que a Libido , embora Freud não tenha elucidado este aspecto.

Juntamente com o conceito de LibidoFreud preocupou-se em definir a CatexiaCatexia seria o processo pelo qual a energia libidinal disponível na psique é vinculada a ou investida na representação mental de uma pessoa, idéia ou coisa. A Libido que foi catexizada perde sua mobilidade original e não pode mais mover-se em direção a novos objetos. Está enraizada em qualquer parte da psique que a atraiu e segurou.

Tomando a Libido como exemplo de uma dada quantidade de dinheiro, a Catexia seria o processo de investir esse dinheiro. Digamos, então, que uma porção do dinheiro foi investida (catexizada), permanecendo nessa hipotética aplicação e deixando algo a a menos do montante original para investir em outro lugar.

Estudos psicanalíticos sobre luto, por exemplo, interpretam o desinteresse das ocupações normais e a preocupação com o recente finado como uma retirada de Libido dos relacionamentos habituais e uma extrema Catexia na pessoa perdida. A teoria psicanalítica se interessa em compreender onde a Libido foi catexizada inadequadamente.

Lobectomia e Hemisferectomia

No cérebro existem os lobos temporal, frontal, parietal e occipital. Esses lobos são pares, dois de cada, um de cada lado do cérebro, um em cada hemisfério. Uma cirurgia que remove toda ou parte dessas áreas é chamada de Lobectomia. Este tipo de cirurgia pode ser feita, por exemplo, quando uma pessoa tem crises epilépticas de dificílimo controle medicamentoso e que começam sempre no mesmo lobo.

É possível parar as crises removendo a área que as produz, caso isto possa ser feito com segurança, sem danificar funções vitais.  A Lobectomia remove uma área pequena do cérebro. Entretanto, em poucos casos, um paciente pode ter doenças cerebrais graves somente de um lado do cérebro, que produz crises incontroláveis e paralisias no lado oposto do corpo.

Quando isto acontece, uma operação mais extensa deve ser considerada. Ela é chamada Hemisferectomia. Assim sendo, a rigor, Hemisferectomia significa a extirpação cirúrgica de um hemisfério cerebral. Ela remove todo ou quase todo o hemisfério cerebral.

É impossível que um adulto possa funcionar somente com metade do cérebro mas em crianças uma metade pode substituir a outra que foi removida. Porém, haverá fraqueza e perda de alguns movimentos do lado oposto do corpo. Haverá também uma perda da visão periférica.

Lobo Fontal, Síndrome do

As lesões no lobo frontal podem proporcionar uma alteração significativa dos modos de comportamento que eram habituais ao sujeito antes do advento da doença; as perturbações concernem em particular à expressão das emoções, das necessidades e dos impulsos. O quadro clínico pode, além disto, comportar uma alteração das funções cognitivas, do pensamento e da sexualidade. Nas classificações internacionais (CID.10 e DSM.IV) essa síndrome está relacionada ao chamado Transtorno Orgânico da Personalidade.

Locus Cerúleo

Locus Coeruleus ou Cerúleo é uma estrutura do cérebro, localizado na substância cinzenta central pontina caudal e formada por um conglomerado de neurônios capasses de sintetizar e elaborar grandes quantidades de catecolaminas endógenas, notadamente a noradrenalina.

Locus Cerúleo é a estrutura corporal com maior densidade de neurônios noradrenérgicos e tem o papel fundamental no desencadeamento da resposta ao estresse, das reações de fuga e no aparecimento e intensidade de muitos sintomas dos quadros de abstinência de substâncias.

Logorreia ou Verborragia

Comumente encontramos nos estados de expansão do humor, seja na hipomania ou mania, ou seja, nos estados de euforia, uma a aceleração do ritmo do pensamento, também conhecido como Taquipsiquismo.

Conseqüentemente, a eloquência na produção de idéias produz uma grande necessidade de verbalizá-las. Diz-se Logorreia ou Verborragia para o fenômeno de produção aumentada de palavras.

Lombroso

No século XVIII a ideia do criminoso nato transformou-se numa hipótese cientificamente estudada pela Frenologia, fundada por Gall, que estudava o carácter e as funções intelectuais do Homem a partir da conformação do crânio, pressupondo que o cérebro é a sede da alma. Muitos autores da época embasavam essa tendência biológica do criminoso, como por exemplo, Lavater, Joseph, Caldwell, Spurzheim Broca.

Embora alguns tenham estudado sujeitos criminosos, nenhum autor ficou tão célebre como Lombroso (1901), que juntamente com os seus discípulos Ferri e Garofalo, desenvolveu toda uma teoria que relacionava o crime com características corporais, acreditando que existia um tipo antropológico distinto que definia o «criminoso nato», sendo este um indivíduo propenso a praticar determinados crimes, e não um doente (que se podia curar) ou um culpado (que se podia castigar).

Deste modo definiram não só os sinais físicos (ex.: nariz torcido, molares salientes, estrabismo), como também os sinais psíquicos, como a ausência de sensibilidade moral, manifestações de vaidade, etc, dizendo que o criminoso seria um tipo atávico, isto é, um indivíduo no qual haveria uma regressão ao Homem primitivo ou mesmo a formas pré-humanas.

A teoria de Lombroso foi muito criticada pelos seus métodos e conclusões, tendo contudo a grande vantagem de iniciar a aplicação das abordagens biológicas no estudo do crime, nível que dominou até cerca de 1940, dando em seguida lugar às abordagens de tipo psicológico até cerca de 1960, e posteriormente às de tipo sociológico. A partir de 1980, constatando-se o fracasso de cada uma destas abordagens na explicação isolada que apresentam, assiste-se à revalorização das abordagens biológicas, não enquanto dado isolado mas integradas noutras perspectivas e essencialmente em articulação com o atual paradigma científico.

Apesar das críticas e do descrédito, mesmo depois da década de quarenta continuaram a ser realizados estudos empíricos de tipo biológico, surgindo também algumas abordagens teóricas. Dentro destas salientam-se Kretschmer (1954), que defendia a importância da estrutura corporal (sobretudo através da noção de inferioridade constitucional) em todos os estudos do comportamento humano, seja este desviante ou normal. Também Exner (1957) defendia a existência de um ramo do saber, intitulado «Biologia Criminal», que se ocuparia do estudo do sujeito e do seu contexto, vendo não só as condições físico-fisiológicas do criminoso, mas também do seu meio ambiente, como é o caso do clima. Por fim, Resten (1959) considerava que a «Caracterologia» era fundamental para a noção de responsabilidade do crime, tentando identificar os factores biológicos que condicionam o comportamento humano, e defendendo a existência de especialistas em «Caracterologia» para ajudar os magistrados.

No que se refere a trabalhos empíricos, as críticas foram ainda mais fortes, e como exemplo pode ser referida a investigação de Sandberg e col. (1961, in Mednick, 1987) na qual os autores defenderam a existência de uma ligação entre o comportamento agressivo e violento e a presença dos cromossomas XYY no genótipo do sujeito. De imediato outros investigadores (Kessler & Moos, 1970, e Witkin et al., 1977, ambos in Mednick, 1987) tentaram demonstrar que o estudo anterior não podia ser generalizado, sendo mesmo proposta a abolição das investigações biológicas no estudo do crime (Sarbin & Miller, 1970, in Mednick, 1987), pois estas seriam imorais e cientificamente não éticas, devendo o estudo do crime restringir-se às causas sociais, econômicas e políticas. Mais recentemente, Mednick e col. (1984), efetuaram um extenso estudo a partir do qual concluíram que as crianças adaptados são mais influenciadas para o crime se os seus pais biológicos tiverem cometido crimes. Ainda antes do estudo ser divulgado, um elemento da American Civil Liberties Union reagiu às conclusões apresentadas referindo publicamente que estas não eram válidas pois o estudo carecia de evidência científica (Mednick, 1987).

Fonte: Cristina Queirós, A importância das abordagens biológicas no estudo do crime.

Lúpus Eritematoso Sistêmico

Lúpus Eritematoso Sistêmico ou, mais simplesmente Lúpus, é uma doença crônica, auto-imune, que causa inflamações em várias partes do corpo, especialmente na pele, juntas, sangue e rins muito relacionada aos elementos psicossomáticos.

Apesar de muitos homens serem afetados pelo Lúpus, ele costuma ocorrer de 10 a 15 vezes mais nas mulheres adultas do que nos homens adultos. Mesmo entre as mulheres, acredita-se que aquelas de origem africana, indígena ou asiática desenvolvam a doença com mais freqüência do que mulheres brancas.

Possivelmente os fatores hormonais seriam responsáveis pela maior incidência do Lúpus entre as mulheres. Isso pode ser suspeitado tendo em vista o aumento dos sintomas que ocorre antes do período menstrual e durante a gravidez. Particularmente o estrogênio estaria relacionado à doença.

Quanto à idade, o Lúpus pode aparecer em qualquer faixa etária e os sintomas serão os mesmos nos homens e mulheres.

Maconha

Maconha é abordada nesse glossário como Cannabis, que é um termo genérico usado para referir os vários preparados do cânhamo ou maconha (Cannabis sativa). Isso inclui a folha de maconha ou diamba (com variada sinonímia de gíria), o cânhamo-da-índia ou haxixe (derivado da resina dos extremos floridos da planta) e o óleo de haxixe.

Na Convenção Única de Narcóticos e Drogas de 1961, a cannabis foi definida como “as extremidades floridas ou frutificadas da planta de cannabis (excluindo as sementes e as folhas sem aquelas extremidades) das quais a resina não foi extraída“, enquanto que a resina da cannabis é “a resina bruta ou purificada, extraída da planta da cannabis“.
As definições são baseadas na terminologia tradicional indiana como ganja (= cannabis) e charas (= resina). Um terceiro termo indiano, o bhang se refere às folhas.

O óleo de cannabis (óleo de haxixe, cannabis líquida ou haxixe líquido) é um concentrado de cannabis obtido pela extração geralmente através de um óleo vegetal. O termo marijuana é de origem mexicana. Originalmente um termo usado para o tabaco barato, ocasionalmente misturado com cannabis. tornou-se um termo genérico para as folhas de cannabis ou a cannabis, em geral, em muitos países. O haxixe, inicialmente um termo utilizado para a cannabis nas áreas do Mediterrâneo oriental, é hoje utilizada para a resina da cannabis.

A cannabis contém pelo menos 60 canabinóides, muitos dos quais biologicamente ativos. O componente mais ativo é o delta 9-tetrahidrocanabinol (THC), o qual, bem como seus metabólitos, pode ser detectado na urina várias semanas após seu uso (geralmente após ter sido fumado).

A intoxicação pela cannabis produz sensação de euforia, leveza dos membros e geralmente retração social. Prejudica a capacidade de dirigir veículos, bem como de outras atividades complexas que requerem habilidade; prejudica a memória imediata, a capacidade de concentração, os reflexos, a capacidade de aprendizado, a coordenação motora, a percepção de profundidade, a visão periférica, a percepção do tempo (a pessoa geralmente tem a sensação de lentificação do tempo) e a detecção de sinais.

Outros sinais de intoxicação podem incluir ansiedade excessiva, desconfiança ou idéias paranoides em alguns e euforia ou apatia em outros, juízo crítico prejudicado, irritação conjuntival, aumento de apetite, boca seca e taquicardia. A cannabis às vezes é consumida com álcool, o que aumenta os efeitos psicomotores.

Há registros de que o uso da cannabis pode precipitar recaídas em casos de esquizofrenia. Estados de ansiedade e pânico agudos, e estados delirantes foram também relatados na intoxicação por cannabis; estes geralmente regridem em alguns dias. Os canabinoides são às vezes usados terapeuticamente para glaucoma e para as náuseas em tratamentos quimioterápicos do câncer.

Veja mais sobre os transtornos por uso de canabinoides estão incluídos nos Transtornos por Uso de Substância Psicoativa na CID-10 (classificados em F12).

Mania

Mania, ou crise de Mania ou o Episódio Maníaco é definido como um período ou estado psíquico durante o qual existe um humor anormalmente e persistentemente elevado, expansivo ou irritável. A perturbação do humor deve incluir auto-estima inflada ou grandiosidade, necessidade de sono diminuída, pressão por falar, fuga de ideias, distraibilidade, maior envolvimento em atividades dirigidas a objetivos ou agitação psicomotora, e envolvimento excessivo em atividades prazerosas com um alto potencial para conseqüências dolorosas.

Normalmente esta perturbação é suficientemente severa para causar prejuízo acentuado no funcionamento social ou ocupacional ou para exigir a hospitalização ou, ainda pode ser marcada pela presença de aspectos psicóticos (delírios de grandeza).

O humor elevado da Mania pode ser descrito como eufórico, incomumente bom, alegre ou excitado. Embora o humor da pessoa possa de início ter uma qualidade contagiante para o observador sem envolvimento, ele é reconhecido como excessivo por quem conhece bem a pessoa. A qualidade expansiva do humor é caracterizada por entusiasmo incessante e indiscriminado por interações interpessoais, sexuais ou profissionais.

Na Mania, por exemplo, o indivíduo pode espontaneamente entabular longas conversas com estranhos em locais públicos, ou um vendedor pode telefonar a estranhos em suas casas de madrugada para iniciar suas vendas. Embora o humor elevado seja considerado o sintoma prototípico, a perturbação predominante do humor pode ser irritabilidade, particularmente quando os desejos da pessoa são frustrados. A instabilidade do humor (por ex., alternância entre euforia e irritabilidade) é vista com freqüência.

A auto-estima inflada vai desde uma autoconfiança sem crítica até uma acentuada grandiosidade que pode alcançar proporções delirantes. Os indivíduos podem oferecer conselhos sobre questões acerca das quais não possuem qualquer conhecimento especial (por ex., como administrar as Nações Unidas).

Apesar da falta de qualquer experiência ou talento particular, o indivíduo maníaco pode começar a escrever um romance, compor uma sinfonia ou buscar publicidade para alguma invenção tola. Nos casos mais graves os delírios grandiosos são comuns (por ex., ter um relacionamento especial com Deus ou com alguma figura pública do mundo político, religioso ou artístico).

A fala maníaca é tipicamente pressionada, alta, rápida e difícil de interromper . Os indivíduos podem falar ininterruptamente, às vezes por horas a fio, sem consideração para com o desejo de comunicação de outras pessoas. A fala por vezes se caracteriza por trocadilhos, piadas e bobagens divertidas.

Os pensamentos do indivíduo podem correr, freqüentemente, a uma velocidade maior do que pode ser articulada. Alguns indivíduos com Episódios Maníacos afirmam que esta experiência assemelha-se a assistir a dois ou três programas de televisão simultaneamente.

A distraibilidade na Mania é evidenciada por uma incapacidade de filtrar estímulos externos irrelevantes (por ex., a gravata do entrevistador, ruídos ou conversas de fundo, ou os móveis da sala). Pode haver redução da capacidade de diferenciar entre pensamentos pertinentes ao assunto e pensamentos de pouca relevância ou nitidamente irrelevantes.

O aumento da atividade dirigida a objetivos freqüentemente envolve excessivo planejamento e participação de múltiplas atividades (por ex., sexuais, profissionais, políticas e religiosas). Um aumento do impulso, fantasias e comportamento sexual em geral está presente. A pessoa pode assumir simultaneamente múltiplos novos empreendimentos profissionais, sem levar em consideração possíveis riscos ou a necessidade de completar cada uma dessas investidas a contento.

Quase que invariavelmente, existe um aumento da sociabilidade (por ex., renovar antigas amizades ou telefonar para amigos ou até mesmo estranhos a qualquer hora do dia ou da noite), sem consideração quanto à natureza intrusiva, dominadora e exigente dessas interações. Os indivíduos freqüentemente exibem agitação ou inquietação psicomotora, andando sem parar ou mantendo múltiplas conversas simultaneamente (por ex., por telefone e pessoalmente, ao mesmo tempo). Alguns indivíduos escrevem uma torrente de cartas sobre muitos assuntos diferentes para amigos, figuras públicas ou meios de comunicação.

Marijuana

O termo marijuana é de origem mexicana. Originalmente um termo usado para o tabaco barato, ocasionalmente misturado com cannabis. tornou-se um termo genérico para as folhas de cannabis ou a cannabis, em geral, em muitos países. Nesse glossário o termo está  abordado junto com Cannabis, que é um termo genérico usado para referir os vários preparados do cânhamo ou maconha (Cannabis sativa). Isso inclui a folha de maconha ou diamba (com variada sinonímia de gíria), o cânhamo-da-índia ou haxixe (derivado da resina dos extremos floridos da planta) e o óleo de haxixe.

Na Convenção Única de Narcóticos e Drogas de 1961, a cannabis foi definida como “as extremidades floridas ou frutificadas da planta de cannabis (excluindo as sementes e as folhas sem aquelas extremidades) das quais a resina não foi extraída“, enquanto que a resina da cannabis é “a resina bruta ou purificada, extraída da planta da cannabis“.
As definições são baseadas na terminologia tradicional indiana como ganja (= cannabis) e charas (= resina). Um terceiro termo indiano, o bhang se refere às folhas.

O óleo de cannabis (óleo de haxixe, cannabis líquida ou haxixe líquido) é um concentrado de cannabis obtido pela extração geralmente através de um óleo vegetal.  O haxixe, inicialmente um termo utilizado para a cannabis nas áreas do Mediterrâneo oriental, é hoje utilizada para a resina da cannabis.

A cannabis contém pelo menos 60 canabinóides, muitos dos quais biologicamente ativos. O componente mais ativo é o delta 9-tetrahidrocanabinol (THC), o qual, bem como seus metabólitos, pode ser detectado na urina várias semanas após seu uso (geralmente após ter sido fumado).

A intoxicação pela cannabis produz sensação de euforia, leveza dos membros e geralmente retração social. Prejudica a capacidade de dirigir veículos, bem como de outras atividades complexas que requerem habilidade; prejudica a memória imediata, a capacidade de concentração, os reflexos, a capacidade de aprendizado, a coordenação motora, a percepção de profundidade, a visão periférica, a percepção do tempo (a pessoa geralmente tem a sensação de lentificação do tempo) e a detecção de sinais.

Outros sinais de intoxicação podem incluir ansiedade excessiva, desconfiança ou idéias paranoides em alguns e euforia ou apatia em outros, juízo crítico prejudicado, irritação conjuntival, aumento de apetite, boca seca e taquicardia. A cannabis às vezes é consumida com álcool, o que aumenta os efeitos psicomotores.

Há registros de que o uso da cannabis pode precipitar recaídas em casos de esquizofrenia. Estados de ansiedade e pânico agudos, e estados delirantes foram também relatados na intoxicação por cannabis; estes geralmente regridem em alguns dias. Os canabinoides são às vezes usados terapeuticamente para glaucoma e para as náuseas em tratamentos quimioterápicos do câncer.

Veja mais sobre os transtornos por uso de canabinoides estão incluídos nos Transtornos por Uso de Substância Psicoativa na CID-10 (classificados em F12).

Masoquismo

Parafilia do Masoquismo Sexual envolve o ato (real, não simulado) de ser humilhado, espancado, atado ou de outra forma submetido a sofrimento. Alguns indivíduos se sentem perturbados por suas fantasias masoquistas, que podem ser invocadas durante o intercurso sexual ou a masturbação, mas não atuadas de outro modo. Nesses casos, as fantasias masoquistas em geral envolvem ser estuprado estando preso ou atado por outros, sem possibilidade de fuga.

Outros agem de acordo com seus desejos sexuais masoquistas por conta própria (por ex., atando a si mesmos, picando-se com alfinetes ou agulhas, auto-administrando choques elétricos ou automutilando-se) ou com um parceiro. Os atos masoquistas que podem ser buscados com um parceiro incluem contenções (sujeição), colocação de vendas (sujeição sensorial), palmadas, espancamento, açoitamento, choques elétricos, ser cortado, “perfurado e atravessado” (infibulação) e humilhado (por ex., receber sobre si a urina ou as fezes do parceiro, ser forçado a rastejar e latir como um cão, ou ser submetido a abuso verbal).

transvestismo forçado pode ser buscado por sua associação com a humilhação. O indivíduo pode ter um desejo de ser tratado como um bebê indefeso e de usar fraldas (“infantilismo”).

Uma forma particularmente perigosa de Masoquismo Sexual, chamada “hipoxifilina”, envolve a excitação sexual pela privação de oxigênio, obtida por meio de compressão torácica, garrotes, ataduras, sufocação com saco plástico, máscara ou substância química (freqüentemente um nitrito volátil que produz uma redução temporária da oxigenação cerebral pela vasodilatação periférica). As atividades de privação de oxigênio podem ser executadas a sós ou com um parceiro.

 

Materialismo

Materialismo é a doutrina filosófica que admite como realidade apenas a matéria. Nega a existência da alma e do mundo espiritual ou divino. Formulada pela primeira vez no século VI a. C. na Grécia . Ganha impulso no século XVI, quando assume diferentes formas. Para os gregos, os fenômenos devem ser explicados não por meio de mitos religiosos mas pela observação da realidade.

A matéria é a substância de todas as coisas. A geração e a degeneração do que existe obedecem a leis físicas. A matéria encontra-se em permanente metamorfose. A alma faz parte da natureza e obedece às suas leis. Essas teses desenvolvidas pelos gregos são a base de todo o materialismo posterior.

Empirismo inglês e o Cartesianismo francês são essencialmente materialistas. No século XVIII, os franceses Julien de la Mettrie (1709-1751), os pensadores da Enciclopédia e Holbach (1723-1789) lançam o materialismo filosófico, doutrina de inspiração anti-religiosa que considera o homem uma máquina e nega a existência da alma, em oposição ao espiritualismo.

No século XIX, surge na Alemanha o Materialismo Científico, que substitui Deus pela razão ou pelo homem, prega que toda explicação científica é de ordem psico química e o pensamento não é senão um produto do cérebro. Seus principais formuladores são Karl Vogt (1817-1895), Louis Büchner (1824-1890) e Ludwig Feuerbach (1804-1872). O marxismo baseia-se numa concepção materialista da história – denominada materialismo histórico por Friedrich Engels (1820-1895) -, pela qual a história do homem é a da luta entre as diferentes classes sociais, determinada pelas relações econômicas da época.

Materialismo Dialético é constituído como doutrina por Vladimir Lenin (1870-1924) e recebe este nome porque sua teoria é materialista e seu método, a dialética. No início do século XX, as idéias de pensadores como Richard Avenarius (1843-1896), Ernst Mach (1838-1916) e Wilhelm Ostwal (1855-1932) dão surgimento ao materialismo energetista, teoria mais filosófica que científica, pela qual espírito e matéria são apenas formas da energia que constitui a realidade.

 

Mecanismos de Defesa

A ameaça de alguns eventos psíquicos (pulsões, inclinações, impulsos, emoções…) podem causar excesso de ansiedade e angústia. Segundo Freud, haveriam dois modos de diminuir essa angústia. O primeiro modo seria lidando diretamente com a situação que desencadeia a emoção angustiante. Resolvemos problemas, superamos obstáculos, enfrentamos ou fugimos de ameaças, e chegamos a termo de um problema a fim de minimizar seu impacto. Desta forma, lutamos para eliminar dificuldades e diminuir probabilidades de sua repetição, reduzindo, assim, as perspectivas de ansiedade adicional no futuro.

A outra forma de defesa contra a ansiedade deforma ou nega a própria situação. O Ego protege a personalidade contra a ameaça, falsificando a natureza desta. Os modos pelos quais se dão as distorções são denominados Mecanismos de Defesa.

Os principais Mecanismos de Defesa psicológicos descritos são: repressão, negação, racionalização, formação reativa, isolamento, projeção, regressão e sublimação (Anna Freud, 1936; Fenichel, 1945). Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos saudáveis, e sua presença excessiva é, via de regra, indicação de possíveis sintomas neuróticos.

Freud não pretendeu que suas observações sobre Mecanismo de Defesa fossem inteiramente originais. Ele citava outras observações sobre o tema.

Medula Espinhal

Medula Espinhal é uma continuação da porção final do encéfalo ou tronco cerebral que fica dentro da coluna espinhal e termina ao nível da região lombar.

Contem as fibras nervosas que nascem na periferia (pele, músculos e articulações, por ex) e que levam informações para o encéfalo e também as fibras que vem do encéfalo e levam informações para os órgãos, músculos, articulações, etc.

Megalomania

Durante os Episódios de Mania do Transtorno Afetivo Bipolar, dependendo de sua gravidade, pode ocorrer um delírio de grandeza do tipo Delírio Humor Congruente, ou seja, um delírio cuja temática é consoante à Mania (humor francamente expandido e eufórico). Esse Delírio Humor Congruente é um delírio de grandeza, de superioridade, de poder sobre humano, etc., é também conhecido por Megalomania (Megalo = grande).

Melatonina

Melatonina é um neuro-hormônio produzido pelas glândula pineal e, acredita-se, apresenta como principal função regular o sono. Esse hormônio é produzido a partir do momento em que fechamos os olhos. Na presença de luz, entretanto, é enviada uma mensagem neuroendócrina bloqueando a sua formação, portanto, a secreção dessa substância é quase exclusivamente determinada por estruturas fotossensíveis, principalmente a noite.

Melatonina é uma substância classificada como indolamina e tem como precursora a serotonina, um importante neurotransmissor. Especula-se que a as estruturas foto receptivas, da retina e da glândula pineal, produzem a Melatonina, modificando a via de síntese da serotonina através de uma enzima, a serotonina-N-acetiltransferase. A Melatonina circulante atuaria nos diversos sistemas do organismo preparando e induzindo o sono. Este aparato de produção da Melatonina esta presente nos vertebrados em geral.

Memória

Uma maneira importante pela qual a percepção se torna consciente é através da Atenção que, em essência, é a focalização consciente e específica sobre alguns aspectos ou algumas partes da realidade. Assim sendo, nossa consciência pode, voluntariamente ou espontaneamente, privilegiar um determinado conteúdo e determinar a inibição de outros conteúdos vividos. Portanto, reconhece-se a Atenção como um fenômeno de tensão, de esforço, de concentração, de interesse e de focalização da consciência.

Atenção pode ser entendida como uma atitude psicológica através da qual concentramos a nossa atividade psíquica sobre um estímulo específico, seja este estímulo uma sensação, uma percepção, representação, afeto ou desejo, a fim de elaborar os conceitos e o raciocínio. Portanto, de modo geral a Atenção parece criar a própria consciência.

Memória, no sentido estrito, pode ser entendida como a soma de todas as lembranças existentes na consciência, bem como as aptidões que determinam a extensão e a precisão dessas lembranças. De modo geral a Memória necessita de duas funções neuropsíquicas fundamentais; a capacidade de fixação, que é a função responsável pelo acréscimo de novas impressões à consciência e graças à qual é possível adquirir novo material mnemônico, e a capacidade de evocação, ou reprodução, pela qual os traços mnêmicos são revividos e colocados à disposição livremente da consciência.

Meningiomas

Os Meningiomas são tumores benignos de células e elementos vasculares das meninges e de crescimento lento. Eles constituem 10 % dos tumores intracranianos.

Meningiomas são muito comuns nos últimos anos de vida e mais freqüentemente em mulheres. Normalmente o tumor se localiza nas convexidades do hemisférios cerebrais, nas regiões basais do crânio, na borda do esfenoide, no sulco olfativo, nas regiões selar e parasselares, na fossa posterior, no plexo coroide e no canal vertebral.

O quadro clínico dos meningiomas, por se tratar de um tumor de crescimento lento, se traduz por sinais e sintomas que podem evoluir por um período de muitos anos. Assim sendo, as alterações neurológicas decorrentes da doença dependerão da localização do tumor.

O diagnóstico dos meningiomas faz-se por:
1) Radiografia de crânio:
As alterações radiológicas consistem no adelgaçamento ou espessamento do osso e no alargamento das sobras ósseas vasculares. O tumor pode conter calcificações em 30 a 60 por cento dos casos.

2) Tomografia computadorizada:
O tumor aparece como uma massa homogênea densa e bem delimitada, situada próximo ao osso ou em íntima relação com a foice ou a tenda do cerebelo. Cerca de 30 por cento apresentam zonas de baixa densidade. Há um realce denso depois da infusão do material de contraste.

3) Angiografia:
Compatíveis com uma massa extracerebral, com uma mancha “tumoral” densa. Pode haver hipertrofia das artérias que irrigam a dura-máter.
O tratamento se dá as custas de ressecção cirúrgica completa do tumor, se possível.

Quanto ao prognóstico, no caso de ter havido ressecção completa, haverá resolução dos déficits neurológicos e recuperação permanente. A recidiva do tumor não é incomum após a ressecção incompleta, podendo ser necessária uma segunda operação vários anos mais tarde.

 

Meningite

Meningite é a infecção que atinge as meninges, isto é, a membrana que envolve o sistema nervoso. Eventualmente também pode atingir o cérebro: meningoencefalite. Pode ser devida a bactéria ou a um vírus. Na velhice é uma infecção rara, em geral devida a bactéria (pneumococo e germes Gram. negativos), e está relacionada a outras infecções como pneumonia, infecção urinária ou sinusite. O alcoolismo é um fator predisponente.

O diagnóstico na velhice é difícil pois a sua manifestação é atípica, e em geral só há febre e pode ocorrer sonolência e confusão mental. O exame do líquor fornece o diagnóstico e o tratamento é feito com antibióticos.

Menopausa

Menopausa se carateriza por alterações na duração e na quantidade de sangue da menstruação e ocorre durante o período do climatério. Representa a cessação dos ciclos menstruais ou da menstruação e se deve a queda na função dos ovários.

A menstruação é a perda sanguínea vaginal que ocorre devido a alterações hormonais características da mulher no seu período reprodutivo. Caracteriza o primeiro dia do ciclo menstrual, ciclo este que envolve inúmeras alterações no sistema reprodutor feminino , destacando-se a ovulação, e que termina logo antes da próxima menstruação.

O ciclo menstrual termina com a menopausa e com ela ocorre o desaparecimento da menstruação. A menopausa pode ocorrer precocemente, antes dos 40 anos, significando então deficiência do hormônio estrógeno e em geral se deve a distúrbios dos ovários.

O aparecimento de perda sanguínea pela vagina após a Menopausa, denominada metrorragia, tem grande importância e deve ser sempre muito bem avaliada pois pode ser sinal de carcinoma de útero.

Metástase

A rigor, Metástase é o aparecimento de um foco secundário, a distância, no curso da evolução dum tumor maligno ou dum processo inflamatório. No câncer, Metástase é a disseminação da doença para o corpo, em locais diferentes de onde nasceu o tumor principal.

Miastenia

Miastenia Gravis ocorre na 3a. idade, mas é muito rara e em geral está relacionada a tumor do timo. Não é propriamente uma doença do músculo e sim da denominada placa mio-neural , que é uma estrutura aonde terminam as fibras nervosas que passam a se relacionar intimamente com as fibras musculares.

Caracteriza-se por fraqueza muscular, sem dor, caracterizando o estado de fadiga aos mínimos esforços. Pode ocorrer a visão dupla devido ao comprometimento da musculatura ocular. É uma doença devida a distúrbio da imunidade que atinge a relação intima entre o nervo e o músculo.

Miastenia pode ocorrer simultânea ao câncer, destacando-se o câncer de pulmão. A doença muscular eventualmente pode se confundir com uma neuropatia ou neurite. A eletroneuromiografia é o estudo elétrico das funções muscular e nervosa sendo exame básico no diagnóstico das doenças musculares. A biopsia do músculo também é fundamental no diagnóstico.

Midríase

Midríase é a dilatação do diâmetro pupilar que pode ser produzida por fármacos, como por exemplo atropina, alguns tóxicos, substâncias de abuso tipo cocaína, álcool, lesões cerebrais focais, principalmente no tronco encefálico, ou predomínio de um estado simpaticomimético, como na reação de pánico.

Miastenia de Eaton Lambert

Miastenia de Eaton Lambert, é uma miastenia que se caracteriza pelo acometimento da junção neuromuscular. Entretanto, é uma doença rara e chama atenção por sua freqüente associação às neoplasias e, por isso, considerada como uma doença paraneoplásica. A Miastenia de Eaton Lambert também está associada a várias doenças autoimunes.

Na síndrome de Eaton Lambert formam-se anticorpos contra os canais de cálcio do terminal pré sináptico. Isso acaba resultando em uma anormalidade da liberação de acetilcolina na fenda sináptica. O Quadro clínico se inicia com fraqueza progressiva e flutuação na atividade física, acometendo musculatura proximal dos membros inferiores e cintura pélvica.

Progressivamente, há fraqueza em cintura escapular, podendo também haver comprometimento da musculatura craniobulbar, embora diplopia, ptose e disfagia não sejam comuns.

Além do comprometimento motor, em muitos casos, há queixas relacionadas com o sistema nervoso autônomo, tais como constipação, retenção urinária, boca seca e impotência. Hipotensão postural é rara.

Esta doença foi descrita por Eaton, Lambert e Rooke em 1956. Em geral ela acomete adultos, com preferência pelo sexo masculino na proporção de 5 para 1. Na maior parte dos casos a Miastenia de Eaton Lambert é observada em associação a neoplasia pulmonar do tipo oat cell. Nestes casos, o quadro neurológico pode preceder o aparecimento do tumor do pulmão em anos.

Vários outros tumores já foram relacionados à síndrome de Eaton Lambert, como os linfomas, carcinomas de mama, de cólon, da próstata, estômago, rim. Entre as doenças autoimunes associadas a síndrome de Eaton Lambert temos:
• Anemia perniciosa
• Vitiligo
• Doença celíaca
• Diabetes Mellitus Tipo I
• Artrite reumatóide
• Asma
• Retocolite ulcerativa
• Esclerodermia
• Esclerose múltipla

Mioclonia

Mioclonia são movimentos involuntários muito bruscos dos braços ou das pernas durante o sono. As pessoas que sofrem de Mioclonia podem queixar-se de insônia, mas não estarem cientes dos movimentos bruscos de seus membros durante a noite.

Isto acontece porque os movimentos bruscos podem perturbar o sono, mas não acordar completamente o paciente A polissonografia pode confirmar o diagnóstico.

Mongolismo ou Síndrome de Down

Mongolismo ou Síndrome de Down é uma Deficiência Mental produzida por alteração cromossômica, também conhecida como Trissomia 21. O nome Mongolismo refere-se ao aspecto de mongol (oriental) que essas crianças apresentam. Como em outros quadros de retardo mental, o funcionamento intelectual é significativamente inferior à média, acompanhado de limitações significativas no funcionamento adaptativo na comunicação, nos autocuidados, na vida doméstica, nas habilidades sociais e interpessoais, no uso de recursos comunitários, na auto-suficiência, nas habilidades escolares, no trabalho, no lazer, na saúde e na segurança.

O funcionamento adaptativo na Síndrome de Down pode ser influenciado por vários fatores, incluindo educação, motivação, características de personalidade, oportunidades sociais e vocacionais e transtornos mentais e condições médicas gerais que podem coexistir com o Retardo Mental.

Moral

É difícil definir moralidade sem englobar a questão do bem-estar. Pois, nenhum conjunto de regras morais promete a infelicidade. Os seres humanos têm a perspectiva do bem estar.  A moralidade implica, portanto, no próprio bem-estar, levando em conta o bem-estar dos outros.

A construção do pensamento moral e sua legitimação é uma processo complexo para o ser humano, que começa nas primeiras inter relações da infância e são modelados e reavaliados a todo instante pelo próprio sujeito. Tanto a construção quanto a legitimação do pensamento moral abrangem, necessariamente, a afetividade, a interação social e a capacidade cognitiva da pessoa. A moralidade ser humano não é predeterminada, nem definida. Como qualquer percepção humana do outro e de si mesmo, a moralidade é dinâmica, temporalizada e espacializada.

As regras morais se relacionam com as leis sociais também via economia. Na nossa sociedade, dependemos freqüentemente de pessoas que não conhecemos. Portanto, somos obrigados a nos relacionar bem com os desconhecidos. Se isto é necessário, o critério de honestidade, por exemplo, se torna extremamente importante. Quando o conceito moral de honestidade é declinante, a sociedade se torna violenta, sem escrúpulos para lesar o outro.

m

Morte Cerebral

É difícil explicar o que é exatamente e o que causa esse estado em que a pessoa já não vive mais, mas seus órgãos ainda são úteis. E qual a diferença entre morte cerebral e coma.

Os órgãos de um cadáver doador em potencial (coração, rins, pulmões, córneas, pâncreas, fígado, pele e mãos), bem utilizados, podem ser úteis para transplantes em dez ou mais pessoas.

Para entender o conceito de Morte Cerebral, cujo diagnóstico é realizado por um neurologista ou por um neurocirurgião, deve-se conhecer as condições clínicas e laboratoriais que a diferenciam do estado de coma:

Morte Cerebral é um processo irreversível, quantificado e perfeitamente demonstrável, do qual nenhuma pessoa regressou: trata-se da perda da vida do cérebro. Há uma série de sinais que indicam que o cérebro está morto: deixa-se de respirar, perdem-se todas as funções e em poucos minutos entra-se em um estado de decomposição e desintegração bioquímica.

O coma, no entanto, é uma disfunção do sistema nervoso, pela qual a pessoa perde sua capacidade consciente. Enquanto que na morte cerebral dá-se uma perda da circulação sanguínea, com o deterioro e a morte, em estado de coma o cérebro mantém sua chamada irrigação e a pessoa pode eventualmente despertar.

Muitas causas provocam a morte cerebral, mas entre as mais comuns estão as metabólicas, como o coma hepático e o diabético, onde se pode manter a vida do paciente em estado vegetativo (o coração, a pressão arterial, os líquidos e os fluidos são controlados por meio de uma equipe médica).

Mozart, Efeito

A ideia do Efeito Mozart surgiu em 1993 na Universidade da Califórnia, em Irvine, com o físico Gordon Shaw e Frances Rauscher, pesquisadores em desenvolvimento cognitivo. Eles estudaram os efeitos sobre alguns estudantes universitários produzidos quando escutavam os primeiros 10 minutos da Sonata para Dois Pianos em Ré Maior de Mozart. Eles encontraram um melhoramento temporário do raciocínio espaço-temporal, conforme medido pelo teste Stanford-Binet de QI.

Münchausen, Síndrome de

A característica essencial da Síndrome de Münchausen (Transtorno Factício) é a produção intencional de sinais ou sintomas somáticos ou psicológicos. A produção intencional pode incluir a fabricação de queixas subjetivas (por ex., queixas de dor abdominal aguda na ausência de qualquer dor desta espécie), condições auto-infligidas (por ex., produção de abscessos por injeção subcutânea de saliva), exagero ou exacerbação de condições médicas gerais preexistentes (por ex., simulação de uma convulsão de grande mal por um indivíduo com história prévia de transtorno convulsivo) ou qualquer combinação ou variação destes elementos.

A motivação para o comportamento consiste em assumir o papel de doente e, pior ainda, de doente misterioso e desafio à medicina. Os indivíduos com Transtorno Factício em geral apresentam sua história de forma dramática quando questionados em maiores detalhes, podem envolver-se em mentiras patológicas, de um modo intrigante para o ouvinte, acerca de qualquer aspecto de sua história ou sintomas. Eles freqüentemente possuem um extenso conhecimento da terminologia médica e das rotinas hospitalares.

Os indivíduos com este transtorno podem submeter-se com avidez a múltiplos procedimentos e operações invasivas. Quando confrontados com evidências de que seus sintomas são factícios, os indivíduos com este transtorno geralmente negam as alegações ou abandonam rapidamente o hospital, contrariando disposições médicas. Freqüentemente, eles são admitidos, logo depois, em um outro hospital.

Musicoterapia

Musicoterapia é a utilização da música e/ou de seus elementos constituintes, ritmo, melodia e harmonia, por um terapeuta qualificado em um processo destinado a facilitar e promover comunicação, relacionamento, aprendizado, mobilização, expressão, organização e outros objetivos terapêuticos relevantes, a fim de atender as necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas. A musicoterapia busca desenvolver potenciais e/ou restaurar funções do indivíduo para que ele ou ela alcance uma melhor qualidade de vida, através de prevenção, reabilitação ou tratamento.

Mutação

Mutação gênica: É a mudança no caráter de um gene, alteração essa que se mantém nas divisões posteriores da célula. Isso significa que depois da primeira alteração as células posteriores virão sempre com essa nova característica.

Mutação dinâmica: Trata-se da expansão de sequências repetidas de trinucleotides instáveis (TNR, do inglês trinucleotid repeat sequences), implicadas em diversas doenças neurodegenerativas que possuem duas características diferenciais:

1. – A correlação entre o número de sequências e a gravidade do fenótipo, e;
2. – Uma tendencia a aumentar de tamanho de uma geração a outra. Este tipo de mutação representa a base biológica do fenômeno clínico de antecipação genética (idade de inicio mais precoce e fenótipo mais grave em sucessivas gerações).

Tem-se postulado que as mutações dinâmicas podem desempenhar um papel na esquizofrenia, assim como em todas doenças do Sistema Nervoso Central produzidas por mutações dinâmicas.

Mutações somáticas: São mutação que não ocorrem nos gametas, mas sim, que têm lugar nas células somáticas durante o período de desenvolvimento.

Mutismo

Mutismo é a ausência de linguagem oral. O Mutismo tem origem e mecanismos os mais variados. Nas doenças mentais, é observado nos estados de estupor da confusão mental, da melancolia e da catatonia; nos estados demenciais avançados, na paralisia geral e na demência senil.

Na esquizofrenia, o Mutismo adquire uma importante significação. Pode decorrer, nesse caso, de interceptação do pensamento, de perda de contato com a realidade, de alucinações imperativas ou de idéias delirantes de culpabilidade. Com muita freqüência, os catatônicos não falam nem respondem ao interrogatório, dando-nos a impressão de que se encerram voluntariamente no mais completo mutismo.

Mutismo Acinético é um termo que se refere à ausência de linguagem num paciente que não está afásico nem anártrico. Isso quer dizer que não há perda da linguagem nem um déficit motor que impeça a articulação das palavras. Pode-se observar o Mutismo Acinético por lesões bilaterais do cíngulo anterior ou da área motora suplementar. Isso pode acontecer também nos primeiros dias depois de comissurectomia e por tumores do terceiro ventrículo.

Mutismo Seletivo

Crianças muito quietas, que na escola falam pouco com os colegas e têm dificuldade para responder às perguntas do professor, costumam ser classificadas de tímidas. As crianças com esse perfil podem, na verdade, sofrer de um distúrbio de fundo emocional: o mutismo seletivo. Em casa essas crianças conversam normalmente com os pais e brincam com os irmãos, entretanto, quando um adulto de fora do círculo familiar ou outra criança estranha lhes dirige a palavra, elas permanecem mudas.

A característica essencial do Mutismo Seletivo é o fracasso persistente em falar em situações sociais específicas (por ex., escola, com colegas de brincadeiras) onde seria esperado que falasse, apesar de falar em outras situações.

A perturbação interfere na realização escolar ou ocupacional ou na comunicação social . Não se trata da timidez própria do primeiro mês de escolarização, durante o qual muitas crianças podem mostrar-se retraídas e relutantes em falar.