Depressão na Esquizofrenia

Para se retomar o estudo sobre sintomas depressivos na doença esquizofrênica, foi decisiva a importância que se deu, na década de 1970, para os quadros de Depressão Pós-Psicótica.

Houve época em que a psiquiatria se recusava a discutir e até mesmo observar sintomas depressivos em pacientes esquizofrênicos. Dizia-se que a doença se caracterizava por embotamento afetivo ou aplainamento do humor e ponto final; era quase proibido ao esquizofrênico esboçar qualquer sintoma depressivo.

Por várias décadas os sintomas depressivos da esquizofrenia foram menosprezados, voltando-se quase exclusivamente para o estudo dos sintomas psicóticos.

Na realidade, os sintomas depressivos são reconhecidos na esquizofrenia desde suas primeiras descrições (Kraepelin em 1896 e Bleuler em 1911).

As primeiras observações da doença identificavam uma síndrome melancólica frequente em seu curso, chegando a considerar os sintomas depressivos como parte inerente e intrínseco do processo esquizofrênico.

O termo Psicose Esquizoafetiva (Transtorno Esquizoafetivo) foi inicialmente proposto por Kasanin, em 1933, para os casos que apresentavam uma combinação de sintomas afetivos e esquizofrênicos.

Para se retomar o estudo sobre sintomas depressivos no curso da doença esquizofrênica, foi decisiva a importância que se deu, na década de 1970, para os quadros de Depressão Pós-Psicótica.

Nessa época começaram a ser questionados alguns dogmas sobre depressão e Esquizofrenia, como por exemplo, a ideia de que os sintomas depressivos dos pacientes com esquizofrenia eram restritos ou muito mais frequente no período pós-psicótico, assim como a ideia de que a ocorrência de sintomas depressivos na Esquizofrenia era, automaticamente, um sinal de bom prognóstico.

Inicialmente as pesquisas apontavam para a constatação de que os sintomas depressivos eram mais intensos na fase aguda do episódio psicótico e não no período pós-psicótico, além disso, que eles tendiam a melhorar de acordo com a recuperação do paciente (Shanfield et al.).

Segundo McGlashan & Carpenter, a depressão na Esquizofrenia tratava-se de “um quadro fásico de depressão do pensamento e do comportamento que se seguia ao estado psicótico agudo, onde os sintomas mais pronunciados de distorção da realidade já haviam remitido” (Rodrigo Bressan, in: Shirakawa). Esse quadro depressivo era estável, com duração variando entre semanas e mais de um ano e o prognóstico era considerado favorável.

Depois de muitas pesquisas confirmando a ocorrência de sintomas depressivos durante o curso da Esquizofrenia (Bastos, 1981; Martin et al.; Johnson e outros), um conceito novo e brilhante, em relação à Depressão Pós-Psicótica surgiu. Era a chamada Depressão Revelada. Knights & Hirsh, autores desse termo, achavam que os sintomas depressivos da Esquizofrenia apenas se tornavam visíveis no pós-surto agudo, depois do abrandamento dos sintomas psicóticos, mas já estavam presentes durante todo o curso da doença.

De fato, estudo específico para avaliar a cronologia dos sintomas depressivos nas diversas fases da esquizofrenia, confirmou que os sintomas depressivos podem ocorrer em todas as fases da doença e, exatamente o Episódio Psicótico Agudo é apontado como a fase em que os sintomas depressivos são mais frequentes (Green et al.). Além disso, outros estudos mostram que os sintomas depressivos estão entre os sintomas prodrômicos mais frequentes que antecedem a descompensação psicótica (Donlon & Blaker; Docherty et al.; Herz & Meville).

A afirmativa duvidosa de que a ocorrência de Depressão Pós-Psicótica era sinal de bom prognóstico também vem perdendo sustentação progressivamente. Ao contrário do que se pensava, estudos longitudinais têm considerado a depressão como um indicador de prognóstico desfavorável (Becker et al.; Becker).

Segundo levantamento bibliográfico feito por Rodrigo Afonseca Bressan (Shirakawa), a Depressão Pós-Psicótica tem sido relacionada a hospitalizações mais longas, à pior resposta a medicações, pior desempenho social, cronicidade, maiores taxas de recaídas e ao suicídio.

person10b

Depressão Pós-Esquizofrênica na CID
A CID.10 (Classificação Internacional das Doenças) classifica sob o código F20.4, a Depressão Pós-Esquizofrênica. Descreve o quadro da seguinte maneira:

Episódio depressivo eventualmente prolongado ao fim de uma afecção esquizofrênica.

Ao menos alguns sintomas esquizofrênicos “positivos” ou “negativos” devem ainda estar presentes mas não dominam mais o quadro clínico. Este tipo de estado depressivo se acompanha de um maior risco de suicídio.

Se o paciente não apresenta mais nenhum sintoma esquizofrênico, deve-se fazer um diagnóstico de episódio depressivo.

Se os sintomas esquizofrênicos ainda são aparentes e proeminentes, deve-se manter o diagnóstico da forma clínica apropriada da esquizofrenia.

DE4b

No site Comportamento Humano (fora do ar), Jorge Alberto Salton fala sobre o prognóstico da esquizofrenia da seguinte forma: “Sua evolução depende de sua gravidade e da época de seu início. Nash (do filme Uma Mente Brilhante) teve seu quadro iniciado aos trinta anos, por isto ele conseguiu o progresso que conseguiu. Teve tempo para isto. Se tivesse principiado aos quinze anos é possível que sua evolução não fosse tão favorável.

Essa doença evolui por surtos. Há momentos em que os sintomas ficam mais fortes e noutros se tornam amenos. Quando a pessoa está lúcida, muitas vezes se deprime por perceber seus prejuízos. Há casos de depressão grave e suicídio. Estima-se que dez por cento comentam o suicídio. Não há nada que diga que estes pacientes cometam mais agressões a terceiros do que a população em geral”.

Sintomas de depressão em pacientes esquizofrênicos são comuns e geralmente se associam a uma recuperação pior e maior risco de se auto ferirem. Fatores associados a esquizofrenia contribuem para uma maior incidência de depressão. Esquizofrênicos enfrentam dificuldades em áreas como manutenção de relacionamentos, assim como em medidas globais de funcionamento. Alterações nos tratos dopaminérgicos também podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento de depressão na esquizofrenia.

Depressão Grave é uma das possíveis complicações da esquizofrenia. Episódios Depressivos são não apenas comuns mas também podem explicar, pelo menos em parte o maior índice de suicídios encontrados em pacientes esquizofrênicos. Pacientes esquizofrênicos com depressão também parecem ter um maior risco de recorrência.

A variedade de apresentações clínicas, história natural e resposta ao tratamento em pacientes com esquizofrenia permite questionar se um sub grupo de pacientes, com características clínicas próprias não apresentaria um risco aumentado de depressão.

Características demográficas estão ligadas a suicídio tanto na população esquizofrênica quanto na população geral.

 

Depressão Pós-Psicótica

Didaticamente, pode-se dividir os quadros depressivos entre aqueles que ocorrem no período prodrômico (período anterior à manifestação franca da doença), durante o episódio psicótico agudo e aqueles do período de estabilidade. Em mais da metade dos casos a depressão está presente no período prodrômico (60%) e em maior número durante o episódio agudo (de 67 a 75%). Esta depressão intrínseca ao episódio psicótico agudo tende a regredir juntamente com os sintomas psicóticos positivos (Hertz).

Passada a fase aguda, 16,5% dos pacientes esquizofrênicos já estáveis continuam apresentando sintomas depressivos, número este bem superior à população normal (Zisook). Trata-se de uma disforia aguda, caracteriza por sintomas depressivos e de ansiedade intensos que ocorre no período de estabilidade. Essa disforia geralmente cede em três semanas, entretanto, pode evoluir para outro episódio psicótico agudo ou para um episódio depressivo propriamente dito.

Sintomas como perda de interesse e de prazer, abulia, dificuldade para concentração e alterações do apetite devem ser avaliados com cuidado na depressão da Esquizofrenia, pois, em geral os sintomas depressivos podem passar por sintomas negativos ou sintomas extrapiramidais induzidos pelos antipsicóticos.

De fato, sintomas negativos, como isolamento social, apatia amotivacional e incapacidade para o prazer podem ser tomados facilmente por sintomas depressivos. Por outro lado, sintomas extrapiramidais induzidos por antipsicóticos também podem ser confundidos com sintomas depressivos. A acinesia, por exemplo, é o que mais se assemelha à apatia amotivacional da depressão. Essa acinesia se caracteriza por perda importante da energia, diminuição da expressão facial e perda importante da iniciativa.

Por causa disso valorizam-se mais os sintomas específicos de depressão como forma de evitar essa confusão. Esses sintomas seriam os seguintes: humor deprimido, desesperança, autodepreciação, ideias de referência autopejorativos, culpa patológica, depressão matutina, despertar precoce e ideação suicida.

Esse quadro é chamado de Depressão Pós-Psicótica ou Depressão Pós-Esquizofrênica. Os episódios depressivos podem ocorrer tanto na fase pós-psicótica como no período de estabilidade, havendo, portanto, um problema com a nomenclatura atual, que associa a depressão com o período pós-psicótico. Em geral o episódio depressivo da esquizofrenia se assemelha a um episódio depressivo grave com sintomas psicóticos dos transtornos afetivos.

Suicídio e Tentativas de Suicídio

Bleuler descreveu na década de 1950 o comportamento suicida como “o mais grave de todos os sintomas esquizofrênicos”. Aceitava-se, até aquele momento, que aproximadamente 10% dos pacientes com Esquizofrenia morrem devido ao suicídio. Os dados epidemiológicos atualmente aceitos em relação ao suicídio de pacientes com Esquizofrenia, citados por Bressan (in: Shirakawa) são os seguintes:

a) de 2% a 13% de todos os pacientes cometem suicídio
b) esquizofrênicos têm um risco de 10% a 20% maior que a população geral para cometer suicídio;
c) o risco é maior em pacientes do sexo masculino
d) o risco é maior em pacientes jovens e diminui com a idade.

Entre os fatores capazes de aumentar o risco de suicídio em pacientes esquizofrênicos destacam-se: o isolamento social, não ser casado, desempregado, história prévia de tentativa de suicídio, fortes expectativas sócio-familiares de boa performance, curso da doença crônico e com muitos surtos agudos, múltiplas internações, dificuldades no trabalho, história de depressão no passado e, evidentemente, depressão presente. Este último fator é de maior risco ainda, quando o sintoma proeminente é humor deprimido persistente e desesperança.

Para os serviços de saúde mental vale muito, como alerta, saber que grande parte dos pacientes esquizofrênicos que cometeram suicídio apresentava sintomas depressivos no último contato com esses serviços. Segundo Itiro Shirakawa, o período de maior risco de suicídio para os esquizofrênicos é fora do episódio psicótico agudo.

Quando a questão em análise não é o suicídio em si, mas a tentativa de suicídio, os números são bem mais expressivos. Os trabalhos referem taxas entre 18% e 55% de tentativa de suicídio em pacientes esquizofrênicos, com um valor médio em torno de 30%. A associação entre sintomas depressivos e tentativas de suicídio em pacientes esquizofrênicos está entre 35% a 79% dos casos (Roy). Estas proporções são semelhantes às encontradas na população geral.

Bibliografia do tema Esquizofrenia
Bastos OCF.
Contribuição ao estludo clínico da depressão pós-esquizofrênica. Tese para concurso de Professor Titular, 1981. Recife.
Becker RE. Depression in schizophrenia. Hofp and Comm P ychiatry, 188, 39:1269-1275.
Becker RE, Singh MM, Meisler N, Shillcutt S. Clinical significance, evaluation, and manangement of secundary depression in schizophrenia. J Clin P.rychiatry, 1985, 46(num11, sec2):26-32
Bressan RA. A depressão na esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatr. 2008-01-29, pp. 27-30.
Docherty JP, Van Kammen DP, Siris SG, Marder SR. Stages of onset of schizophrenic psycosis. Am J Prychiatry, 1978, 135(4):420-426.
Donlon PT, Blaker KH. Stages of schizophrenic descompensation ans reintegration. J Nerv Ment Dis, 1973, 157(3):200-209.
Eissler RK. Remarks on the psychoanalysis of schizophrenia. Int Pychoanal, 1951, 32:139-156.
Green MF, Nuechterlein KH, Ventura J, Mintz J. The temporal relationship between depressive and psycotic symptoms in recent-onset schizophrenia. Am J Pychiatry , 1990, 147:179-182.
Herz MI, Melville C. Relapse in schizophrenia. Am J Psyrhiatry, 1980, 137(7):801-805. 32.
Jablensky A, Sartorius N, EmbergG et al. Schizophrenia: manifestations, incidence and course in different cultures. A WHO ten country study. Psychol Med Monogr Suppl 1992; 20:1-97
Johnson DAW. The significance of depression in the prediction of relapse in chronic schizophrenia. Br J Prychiatry, 1988 152:320-323
Knights A, Hirsch SR. Revealed depression and drug treatment for schizophrenia. Arch Gen Prychiatry, 1981, 38:806-811
Leff J, Tress K, Edwards B. The clinical course of depressive symptoms in schizophrenia. Schizophr Res, 1988, 1:25-30.
Martin RE, Clonninger CR, Guze SB, Clayton PJ. Frequency and differencial diagnosis of depressive syndromes in schizophrenia. J Clin Prychiatry, 1985, 4G (num11, sec2):9-13.
McGlashan TH. Predictors of shorter, medium, and longer-term outcome in schizophrenia. Am J Psychiatry 1986; 143:50-55.
Newcomer JW, Faustman WO, Yeh W, Csernansky JG. Distinguishing depression and negative symptoms in unmedicated patients with schizophrenia. Psychiatry Res, 1990, 31:243-250.
Opjordsmoen S. Long-term clinical outcome of schizophrenia with special reference to gender differences. Acta Psychiatr Scand, 1991; 83:307-313.
Roy A. Relationship between depression and suicidal behavior in schizophrenia. Em: Depression in Schizophrenia. DeLisi LE (Ed.). American Psychiatric Press, 1990. Washington, D.C.
Shanfield S, Turcker GJ, Harrow M, Detre T. The schizophrenic patient and depressive symptomatology. J Nerv Ment Dis, 1970, 151 (3):203-210.
Shirakawa I, Chaves AC, Mari, JJ. O Desafio da Esquizofrenia. Lemos Editorial, 1998
Siris SG. Akinesia and postpsychotic depression: a difficult differential diagnosis. 1987, 1 48:240-243.
Stephens JH. Long-term course and prognosis in schizophrenia. Sem Psychiatry, 1970; 2:464-485.
Stephens JH. Long-term prognosis and follow up in schizophrenia. Schizophr Bull, 1978; 4:25-47.
Wyatt RJ. Neuroleptics and the natural course of schizophrenia. Schizophr Bull, 1991; 17:325-351.

para referir:
Ballone GJ Depressão na Esquizofrenia – in. PsiqWeb, Internet, disponível emwww.psiqweb.med.br, revisto em 2017